RFID – A Etiqueta eletrônica tendência para novo controle

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Você já ouviu falar em Radio-Frequency IDentification (RFID)? O RFID, nada mais é do que a utilização de ondas de rádio para ler e capturar informação armazenada numa etiqueta fixada a um objecto. A etiqueta pode ser lida de até vários metros de distância e não precisa estar dentro de da linha de “visão” do leitor para ser rastreada.

Um sistema de RFID é composto de duas partes: uma etiqueta ou rótulo e um leitor. As etiquetas RFID são encaixadas com um transmissor e um receptor. O componente RFID nas etiquetas têm duas partes: um microchip que armazena e processa informação, e uma antena para receber e transmitir um sinal. A etiqueta também contém o número de série específico para um objeto específico.

Como funciona um sistema RFID

Para ler a informação codificada, um rádio bidirecional transmissor-receptor, ou leitor, tranmite um sinal para a etiqueta usando uma antena. Imediatamente, a etiqueta responde com a informação escrita em seu banco de memória. O leitor, então, transmite os resultados de leitura para um programa de computador RFID.

Existem dois tipos de etiquetas RFID: passiva e alimentada por bateria. A etiqueta RFID passiva utilizará a energia das ondas de rádio do leitor para transmitir suas informações armazenadas. Já a etiqueta RFID alimentada por bateria, como o próprio nome diz, é incorporada com uma pequena bateria que alimenta a apresentação da informação.

Exemplos de aplicações de RIFD

Os sistemas RFID têm ajudado muitas empresas a otimizar ativos e gerenciamento de inventário em soluções internas ou de circuito fechado, contorlando veículos, equipamentos e itens de transporte retornável, que ficam dentro da empresa. Isso porque a tecnologia simplifica os procedimentos de captura de dados e aumenta a precisão, eliminando processos manuais passíveis de erros, e ajuda a reduzir os custos do trabalho. Ela fornece em tempo real, as informações up-to-date em toda a cadeia de abastecimento.

Em um ambiente de varejo, por exemplo, as etiquetas RFID podem ser inseridas a artigos de vestuário. Quando um funcionário vai fazer o inventário, ele utiliza um leitor RFID portátil para digitalizar uma prateleira de jeans, sendo, assim, capaz de diferenciar entre dois pares de jeans idênticos com base nas informações armazenadas na etiqueta RFID. Cada par terá o seu próprio número de série.  

Com uma passagem do leitor RFID portátil, o usuário não só pode encontrar um par específico, mas eles pode dizer quantos de cada par estão na prateleira e que pares precisam ser repostos, o que facilita muito o seu trabalho.

Conclusão

É difícil controlar o que não se pode ver. Por isso, soluções RFID ajudam a otimizar a cadeia de suprimentos detectando prontamente, relatando, e resolvendo dificuldades operacionais. Elas também permitem que os carregadores possam encontrar ativos num armazem, por exemplo, com rapidez, e receber status de uma remessa em tempo real, com o máximo de rastreabilidade.

Soluções de RFID podem, portanto, ajudar a reduzir os custos operacionais, aumentar a taxa de transferência do centro de distribuição, maximizar as entregas no prazo, e melhorar o serviço ao cliente, aumentando também a satisfação, o que pode aumentar significativamente os resultados.

Gostou do texto? Compartilhe sua opinião conosco!