O que fazer com estoque ocioso? Descubra!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Vários fatores são considerados ao buscar desempenho eficiente de gestão nas empresas, independentemente do porte que elas forem. Um deles é o estoque, que muitas vezes representa grande parte do ativo, tendo portanto relevante importância financeira e também de competitividade no que se refere a suprir as demandas impostas pelo público-alvo, bem como as sazonalidades inerentes ao ramo de atuação.

Possuir um estoque “enxuto” com giro e cobertura dentro do esperado e ao mesmo tempo não perder a competitividade deixando de atender clientes por possíveis faltas, em muitos casos não é tão simples, ao menos não sem a ajuda de ferramentas de gestão adequadas.

Em alguns casos, mesmo com toda a boa vontade administrativa e comercial dos gestores, assim como a manutenção de um estoque de segurança julgado correto, surge na empresa um entrave chamado de “estoque ocioso”. Você sabe o que fazer quando isso acontece? Descubra!

Estoque parado = perda de competitividade

Quando falamos em estoque podemos considerar diferentes tipos como: matéria-prima, componentes, suprimentos, produtos semiacabados, produtos acabados etc. A importância na gestão de estoques e cuidados com a ociosidade é comum a todos.

Ainda que a empresa tenha um histórico comportamental do mercado em que atua fazendo projeções e ajustando sempre o estoque de segurança, não é incomum que haja a ociosidade. Ela pode ser impulsionada pela estocagem como aposta em produtos novos não absorvidos pelo mercado, ou seja, que o cliente não tenha aprovado, sobras desproporcionais pós períodos sazonais, exposição ineficiente, falta de foco da equipe de vendas, interna ou externa, entre tantas outras possibilidades.

Estoque ocioso além de ser um ativo da empresa “estagnado” sem gerar rentabilidade, tem seu custo por período, toma espaço de armazenagem (muitas vezes pequeno), quando em um salão de vendas por exemplo tira o lugar de outros produtos que poderiam ter mais giro, muitas vezes envolve mais mão-de-obra (colaboradores) para a manutenção, fica sujeito a avarias, vencimento ou perda de valor temporal (no caso de produtos de “moda”), assim como a possível perda de parte do fluxo de caixa para novas compras, entre tantos fatores indesejáveis ao gerir uma empresa.

Mas então, o que fazer quando o estoque ocioso é realidade? Dentre algumas ações necessárias podemos evidenciar as mais importantes e que podem ser realizadas por diferentes segmentos:

  • Identificar a origem do problema

Antes de qualquer outra ação é necessário identificar o que originou a ociosidade, pontual ou não do estoque e “estancar” qualquer incidência de possibilidades futuras de ocorrência.

  • Listar os produtos, matéria-prima etc com giro comprometido

É necessário ter conhecimento de todos os produtos que estão puxando a cobertura de seu estoque para “cima”, ou seja mais dias, assim como estabelecer os critérios para definir o que de fato é considerado estoque ocioso. Tal fator pode variar conforme o ramo de atuação, logística empregada, sazonalidades entre outros.

  • Valorizar “exposição e precificação promocional”

Uma vez identificados todos os produtos parados a “N” dias, eles devem ter preços diferenciados (coerentes mas de fato promocionais) e serem expostos com evidência (vitrines, pilhas internas, pontas de gôndola e etc), com cartazes ou identificação prezando preço e condições. No caso de empresas que trabalham com produção e o estoque ocioso é um determinado insumo será necessário pensar formas de “aquecer” junto aos clientes o fluxo de pedidos para a produção dos produtos originados especificamente.

  • Vender a ideia e a necessidade internamente

É preciso “vender” o estoque ocioso primeiro internamente, para gestores, decisores, vendedores, representantes e demais colaboradores envolvidos. Todos que se relacionam com a possibilidade de “colocar para fora” os produtos sem giro devem estar comprometidos com a questão.

  • Desenvolver premiações de vendas

Algumas ações internas visando aumentar a venda de determinados produtos podem ser desenvolvidas, entre elas uma premiação por vendas. Em caso de vendedores / representantes comissionados é possível aumentar o percentual (de forma atraente) para fomentar maior fluxo de vendas. Outras várias ações deste tipo podem ser feitas valendo-se da criatividade, possibilidade e segmento de atuação da empresa.

  • Utilizar marketing digital ou tradicional

marketing digital, muito difundido em redes sociais, blogs e outras formas é um meio bastante econômico e eficaz de “promover” algo, portanto deve ser utilizado neste caso com o estoque ocioso. As formas tradicionais de propaganda, como: rádio, TV, jornal, encartes e carro de som, embora mais caras em alguns locais é culturalmente muito eficiente. É necessário pesquisar as melhores formas e utilizá-las promovendo datas específicas de promoções ou ofertas convencionais considerando custo e benefício.

Automatização

Se sua empresa ainda não tem um sistema de gestão, software desenvolvido especificamente para apoio na gestão e suas integralidades, em que o estoque está inserido, podendo disponibilizar e gerir dados inclusive customizados, então é o momento de pensar muito fortemente em aderir a tecnologia em prol da competitividade.

Não é mais aceitável se valer de planilhas confusas e muitas vezes falíveis para obter dados de apoio na gestão de sua empresa. Um sistema de gestão quando bem utilizado pode prevenir o problema com estoques ociosos, assim como ajudar na identificação e planejamento de ações baseadas em números e estatísticas internas para a solução do problema.

Um estoque com baixa cobertura, segurança sem queda de resultados, diminuição de tempo e de colaboradores envolvidos sendo de fácil controle é possível utilizando a tecnologia como ferramenta de gestão!