Férias CLT: descubra o que pode atrapalhar o planejamento das férias dos funcionários

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Férias CLT: descubra o que pode atrapalhar o planejamento das férias dos funcionários

As férias são um direito de todo trabalhador e devem ser concedidas uma vez a cada 12 meses individualmente, podendo a empresa, em comum acordo com o trabalhador, proporcionar 20 dias de descanso e comprar os outros 10 dias. É o momento em que o trabalhador deve descansar, depois de muito trabalho. A questão é que, se mal planejadas, as férias podem causar dores de cabeça para o empregador.

Se considerarmos negócios com grande rotatividade, como é o caso do comércio varejista, por exemplo, um mal planejamento de férias pode trazer sérias consequências na produtividade da empresa e sobrecarga para o funcionário que está cobrindo este período, gerando insatisfação. Por outro lado, é possível que não haja uma pessoa preparada para realizar as atividades daquele funcionário durante o período de férias e isso é um grande problema, pois, de acordo com a CLT, quem está em período de férias não pode ser acionado pela empresa seja por telefone, seja por e-mail.

O planejamento de férias é um trabalho que o gestor da área divide com o departamento de Recursos Humanos, afinal, é ele quem sabe em quais períodos do ano precisará da equipe completa, bem como as despesas que a sua área terá por não contar com alguns membros da equipe – em muitas empresas, cada área tem um centro de custos para lidar financeiramente com a equipe.

Existem duas modalidades de férias: individuais e coletivas.

E se as férias individuais acumularem?

[foto do colaborador (jovem com a cabeça sobre o computador] com baixo desempenho por falta de descanço]

Todo o funcionário contratado em regime CLT tem direito a férias a cada 12 meses, mas a empresa pode dar o período de descanso em até 23 meses. Se passar deste período, por lei, ela é obrigada a pagar o valor das férias em dobro.

Geralmente deixar acumular o período de férias não é um bom negócio, tanto do ponto de vista financeiro, pois caso o funcionário seja demitido ou solicite rescisão do contrato, o empregador desembolsará um montante maior de dinheiro tanto com o valor acumulado quanto – no caso de  demissão – com a multa rescisória sobre o período de férias. Por outro lado, o acúmulo de férias também é prejudicial para o desempenho do funcionário, que tende a ficar cansado e desmotivado.

As férias coletivas podem ser concedidas a grupos aleatórios ou somente para toda a organização?

[placa indicando o horário de final de ano (férias coletivas)]

Muito utilizadas pela indústria de manufatura dos mais variados segmentos, as férias coletivas são concedidas a todos ou a um grande grupo de funcionários, geralmente nos finais de ano, independentemente de terem sido completados ou não os respectivos períodos aquisitivos.

Elas podem ser concedidas até duas vezes ao ano, tendo direito os colaboradores com 12 meses de trabalho – é possível também o empregador adiantar férias dos funcionários que não têm um ano de trabalho.

Do ponto de vista legal, a empresa só pode conceder férias coletivas quando for para todo um departamento ou todos os funcionários, não podendo escolher aleatoriamente. Tanto o Ministério do Trabalho quanto o sindicato da categoria devem ser avisados com até 15 dias de antecedência.

O período de férias coletivas deve ser de no mínimo de 10 dias, sendo que menores de 18 e maiores de 50 anos podem optar por fazer 30 dias corridos de descanso.

Não prejudique o desempenho da empresa ou o bem-estar dos colaboradores: monte um planejamento

[imagem do executivo (gestor) com as mãos sobre a cabeça, preocupado com o planejamento de férias]

Cabe aos gestores de cada área administrar as datas de férias de seus subordinados. Para isso, é interessante montar um planejamento, considerando os custos, as necessidades da empresa e dos funcionários.

O calendário de férias deve equilibrar as necessidades da empresa com o bem-estar dos funcionários. Considere os períodos em que o fluxo de trabalho diminui para conceder férias a um número maior de pessoas, mas equilibre os perfis, pense nos clientes ou fornecedores que têm contato com determinados funcionários e como isso pode impactar nos negócios.

Use o momento de construir o calendário para discutir com sua equipe. Não imponha; mostre caminhos e faça com que todos decidam juntos. Lembre-se que as pessoas querem viajar, visitar familiares, fazer cursos etc. no período de férias.

Tenha um bom sistema de RH no qual todas as informações dos funcionários estejam consolidadas. É importante que a ferramenta permita emitir relatórios e fazer planejamentos, inclusive de férias, integrando com Jurídico e Finanças. Assim, sobrará mais tempo para se ater aos aspectos humanos, podendo analisar caso a caso o melhor para o funcionário e para a empresa.